Neurobiologia Interpessoal

Aplicando a ciência ao processo de mudança, aproveitando o poder da neuroplasticidade e integração para desenvolver o bem-estar.

 

  • O evento terá tradução simultânea
  • O evento terá tradução simultânea

Sábado, 10 de julho de 2021 – 9:00h às 17:00h

 

Domingo, 11 de julho de 2021 – 9:00h às 17:00h

 

  • Dia 10/07

9:00h – Podemos descrever uma “mente saudável”?

A neurobiologia interpessoal baseia-se em uma ampla gama de disciplinas científicas, contemplativas e artísticas para oferecer uma visão interdisciplinar da mente humana e o desenvolvimento do bem-estar. Ao considerar a saúde (seja em relação a um indivíduo, a um relacionamento ou a um grupo) como emergente do processo de integração (a ligação de partes diferenciadas), investigaremos como a rigidez e o caos de muitos transtornos mentais são exemplos de integração comprometida.

10:30h – Intervalo

11:00h – Que sistemas sustentam o bem-estar psicológico?

Três experiências humanas foram documentadas como promotoras do bem-estar: apego seguro, meditação da atenção plena e psicoterapia eficaz. Nesta sessão, vamos examinar como esses sistemas têm mecanismos neurais semelhantes e as implicações disto para alcançar um estado de bem-estar e transformação do cérebro.

12:30h – Almoço

13:30h – Psicoterapia: Mente, Cérebro e Relacionamentos

Ao observar a mente como decorrente de processos neurais no corpo – o cérebro incorporado – bem como de interações em relacionamentos, podemos constatar como o trauma no ambiente familiar sob a forma de negligência ou abuso pode determinar as maneiras pelas quais o cérebro se desenvolve e a mente aflora.  Serão analisados o impacto do trauma sobre as funções reguladoras do cérebro, os circuitos que definem o afeto, a atenção e o comportamento, bem como as moléculas epigenéticas que controlam a expressão genética.

15:15h –  Intervalo

15:45h –  A integração e o poder de cura de relacionamentos sob tratamento psicológico.

Serão abordadas maneiras pelas quais intervenções terapêuticas podem aproveitar o poder da neuroplasticidade, ou como o cérebro muda em resposta à experiência. No centro da cura está a integração, que permite que regiões diferenciadas se vinculem.

A integração promove a harmonia e leva o indivíduo do caos e da rigidez dos estados pós-traumáticos para a solução, crescimento e cura. A integração é definida como a ligação de partes diferenciadas de um sistema e, quando está presente, resulta em flexibilidade e harmonia; quando está ausente, ocorre o caos ou rigidez. Quando transferimos este modelo para a mente humana, descobrimos que a falta de integração produz sintomas e síndromes que podemos considerar como a raiz dos transtornos mentais. Examinaremos alguns exemplos.

  • Dia 11/07

9:00h – Trauma no desenvolvimento e a centralidade das relações de apego.

Pesquisas recentes e em andamento confirmam as complexas interações da biologia e do ambiente que podem influenciar nosso senso de apego aos outros desde os primeiros momentos da vida, e ao longo de nossas vidas. Traremos uma perspectiva abrangente à teoria do apego, fundamentada na neurobiologia e na psicologia. Veremos que as crianças começaram a incorporar padrões de relacionamento em seus cérebros e corpos muito antes de desenvolverem a capacidade da linguagem, o que explica porquê a negligência e o trauma podem ter um impacto ao longo da vida nos padrões de apego.

Você aprenderá que a neuroplasticidade do cérebro é de tal maneira que torna a mudança possível e contínua. Técnicas específicas ajudarão você a usar o conhecimento mais recente de como o cérebro se remodela, para ajudar os clientes a criar vínculos mais confortáveis, seguros e bem-sucedidos em suas vidas.

10:30h – Intervalo

11:00h – Os domínios da integração

Esta apresentação propõe que a integração pode servir como um princípio organizador que ilumina a natureza da resiliência e do bem-estar, e funcionar como um mecanismo central de saúde, que pode ser evidenciado em intervenções clínicas. Serão ilustrados “domínios de integração” específicos que nos permitem direcionar intervenções terapêuticas no tratamento do trauma para a integração, a ligação de elementos diferenciados.

Esses domínios incluem os de consciência, bilateral, vertical, memória e narrativa, estado, interpessoal, temporal e identidade. Trabalhar em cada domínio implica intervenções terapêuticas específicas que serão destacadas e exploradas. O resultado final da integração é a mudança do indivíduo sob os estados apresentados de caos e rigidez para a harmonia e a calma do bem-estar.

12:30h – Almoço

13:30h – Visão mental e presença: o significado da integração neural para o terapeuta e o cliente.

Estudos de saúde física, bem-estar emocional, longevidade, felicidade e até sabedoria sugerem que a capacidade de estarmos cientes de nosso próprio mundo interno e de nos sentirmos profundamente conectados aos outros encontra-se no interior da resiliência e da saúde mental. A pesquisa no campo do desenvolvimento também ilustra como a capacidade de perceber o mar mental interior, dentro de nós mesmos e nos outros é um elemento crucial das relações saudáveis entre pais e filhos. A presença terapêutica permite que o clínico proporcione a sintonia e a repercussão que aprimoram a confiança no relacionamento terapêutico.

15:15h – Intervalo

15:45h – Consciência focada e cura da mente

Quando esta capacidade de ver o mar interior também se concentra no aprimoramento da integração, usamos o termo “visão mental”, uma habilidade aprendida que estabiliza as lentes através das quais percebemos um fluxo de energia e de informações, dentro de nós mesmos e entre nós e os outros. Uma vez que esta lente perceptiva tenha sido estabilizada para enxergar o interior com profundidade e clareza, intervenções específicas podem ser iniciadas para modular o fluxo de energia e informações direcionadas à integração. Esta apresentação vai explorar, através de estudos de casos, como a integração pode ser avaliada, como a visão mental pode ser ensinada e como as intervenções podem ser aplicadas em uma ampla gama de domínios. Em última análise, a terapia eficaz estimula a ativação e o crescimento neuronal para um estado mais integrado. Do ponto de vista da neurobiologia interpessoal, veremos como o clínico pode usar o relacionamento terapêutico para aperfeiçoar o crescimento de novos processos integrativos na essência da saúde e da transformação.

X